sábado, 21 de janeiro de 2012

Chão de giz

"Olhos nos olhos, quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais
E que venho até remoçando
Me pego cantando
Sem mas nem porque"
Chico Buarque. "Olhos nos olhos".


Olá. Gostaria de esclarecer os acontecimentos desses últimos tempos com clareza. Você me conhece, sabe que eu não suporto mal-entendidos ou fatos e acontecimentos que possam deixar dúvidas à sua ou a qualquer mente errante.

Quando eu me fui, tranquei-me numa casa de parentes nesse fim de mundo de onde escrevo esta carta. Tudo me entristecia. Fosse o pesamento de que a galinha em minha mesa tinha sido morta de forma calculista, apenas com intuito de me alimentar, fosse pelas flores pisadas da calçada, fosse por um simples olhar áspero de uma criança. Eu lutava tanto, mas as lágrimas insistiam em recusar a se retirarem dos meus olhos. Tudo me lembrava você. Fumaça de cigarro, flores na janela ou chocolate belga. Um vazio habitava meu peito, como se o coração batesse a vácuo. Meu olfato procurava seu cheiro no travesseiro, minha audição por vezes julgava escutar sua voz quente ao pé do ouvido e eu, ouso admitir, por uma ou duas vezes, acordei no meio da noite com a mão em meu sexo em brasa depois de um sonho que te incluía.

Chorei, devaneei, enlouqueci. Passei a duvidar da veracidade do passado, sua imagem passou a ser turva como um sonho antigo. Minha mente, prestativa, passava a te rejeitar de tal modo que eu duvidava de sua existência. Mas não adiantava, de algum modo eu consegui rejeitar o meu consciente para não te rejeitar. Pensei em voltar, pensei em me desculpar por minha tolice, pensei em pedir desculpa pelos seus erros, pensei em te pedir para ser l'ombre de ton chien, assim como sua musa Piaf um dia o fez. Ah, como eu quisera que as coisas tivessem sido diferentes. Eu correria daqui do fim do mundo à cidade, levando prendas a ti. Ouso dizer que te mataria só pra não ter que suportar a ideia de te ver um dia desfilando com seu novo alguém diante de meus olhos embriagados.

Amizades me disseram para sair dessa fossa de merda que me enterrei. A ideia me parecera maluca, nunca conseguiria te esquecer, deixar de te amar. E, de fato, nunca irei.

Não vou tentar iludir a nenhum de nós que eu te amo. Não pelo que você é. Se eu pudesse formar uma pessoa e por nela todos os defeitos que eu detesto em um ser humano, eu teria como resultado um clone seu. Aí, eu olharia para aquele corpo, aquele rosto suave e adormecido, e poria nessa criatura todas as qualidades que eu mais prezo, só para ficar perfeitamente igual a ti.

Eu te amo por mim. Eu amo o seu eu dentro de mim. Eu amo as manhãs de cócegas, eu amo o gosto de chocolate do seu beijo, eu amo as brigas, eu amo ter fugido de casa 15 minutos depois de você ter saído para ver sua mãe. Se eu não amasse isso tudo, que solução teria eu?

Passei a ser feliz ali, com o corpo enterrado em merda até a cintura naquela fossa que hoje já está decorada ao meu gosto. E nesse momento eu espero de todo o meu coração que minhas convicções de meses atrás estivessem certas: que você não me amava o bastante para sofrer com a minha partida. Caso confirmes minha razão, passe aqui nesse endereço do envelope da carta para tomarmos um cappuccino. Verás que me refiz, que aquele sorriso de antes está de novo tatuado em minha cara. Te apresentarei minha nova companhia, e nos contentaremos em ser bons e velhos amigos com algumas historias a mais na bagagem, mal não irá nos fazer, e se fizer teremos direito a uma despedida agradável. E caso você um dia me amara do jeito que falei, por favor não me conte. Pois eu posso sobreviver com toda essa merda em volta de mim, mas nunca com o arrependimento e a culpa de ter te feito sofrer.

No mais, é isso. O barulho do engarrafamento continua me enlouquecendo, eu continuo odiando limpar a casa e meus maiores companheiros são dois buldogues deitados aos meus pés no momento. Eles irão gostar de você.

Um abraço e um beijo.

De mim.

5 comentários:

d. disse...

Dalton, querido.. tão bom poder ter esse pedacinho de céu de novo. eu vim aqui algumas vezes para ver se tinha coisa nova e, como não tinha, relia os antigos.

essa carta tem tanto de mim, me fez relembrar sensações que tive meses atrás (e faz bem pouco tempo). "Chorei, devaneei, enlouqueci." tres palavras para definir um estado de espírito que eu já tive. não sei por qual razão, lembrei daquele filme 'O cheiro do ralo'. pensei e pensei e não consegui mesmo chegar ao motivo.

espero que continue escrevendo aqui, é bom te ler.

um beijo,
Débora

Maria Midlej disse...

Muito boa carta! rs Preciso dizer que acabei me lembrando de ''500 dias com ela', aquele filme bonitinho em que a maior epifania que eu percebi é exatamente isso que voce colocou no texto. Essa coisa de não ser apaixonado pela 'pessoa' mas sim pela 'idéia' que se fez. E isso acaba com a pessoa, né. rs

Dalton, muito bom ler isso aqui. Obrigada pelas palavras no meu blog, venha sempre. Virei sempre. :)
Beijão

Bárbara disse...

Sempre ouvi dizer que os melhores textos são aqueles que o autor relata o que vive, como consequência vem uma riqueza de detalhes que formam um molde exato para qualquer um que leia se acomodar e encaixar sua vida em cada palavra que lê.
Caso não seja essa sua realidade, você é bom nisso.
Cappuccino, buldogues, fossa e merda combinam perfeitamente!

Jéssica, a antropofágica disse...

É a primeira vez que venho aqui e já estou fascinada. Engraçado como alguns sentimentos são universais.
Já perdi as contas de quantas cartas já escrevi e rasguei para não enviar, porque ia parecer um pouco bobo ou carente demais ou apenas eu não queria dar o braço a torcer.
Certas pessoas a gente nunca esquece.
Beijo,

Jéssica.

Deyse Batista disse...

Não tinha até então descoberto o seu blog por infelicidade minha, mas agora que o fiz, ele virou uma das minhas leituras de cabeça - já que vale tão a pena revisitar os posts antigos. Suas palavras são lindas e muitas vezes doloridas, Dalton, mas também são igualmente belas. É um prazer te ler.
ps.: cartas são o meu estilo favorito. Não tem como não me encantar por elas.
Beijos, Deyse.